Você sabe a diferença entre timidez e introversão?

Nos dias de hoje, é muito comum a confusão entre os significados de timidez e introversão. Frequentemente as pessoas os usam como sinônimos, mas, apesar da relação, não são a mesma coisa.

A timidez é o medo do julgamento negativo, julgamento social, acanhamento, retraimento. Já a introversão é um tipo de personalidade que torna a pessoa mais observadora, que prefere manter-se sozinha com suas ideias a se expor, pensa muito antes de ter qualquer tipo de ação.

Na timidez, a pessoa sente um desconforto quanto a exposição de si mesma e quanto a opinião  do outro a seu respeito, e por esse motivo acaba evitando o contato e a interação com pessoas e grupos diferentes dos quais já esta habituada. Um exemplo de timidez são pessoas que evitam falar em público, pelo fato de detestarem ser alvo de atenções e por  ficarem constrangidas por verem um maior número de pessoas olhando para elas. O tímido não gosta de ser o centro das atenções. Existem fatores hereditários que contribuem para o desenvolvimento da timidez, entretanto o meio social, o tipo de educação familiar e as experiências ao longo da vida contribuem significativamente para a formação de um temperamento tímido.

De acordo com C.G. Jung, introversão é o comportamento da pessoa que demanda toda a sua energia psíquica para si mesmo (em oposição ao mundo exterior); que tende a ser fechado e contido, mais contemplativa, introspectiva e resistente a influências externas, sendo muitas vezes menos sociáveis em relação às extrovertidas.

Um introvertido pode ser um bom conversador e uma pessoa tímida pode se abrir para as pessoas à sua volta no tempo devido. Uma pessoa introvertida aproveita o tempo sozinha e fica emocionalmente esgotada depois de passar tempo com os outros. Um tímido pode não querer ficar sozinho, mas está preocupado com a interação com os outros.

O grande problema de ser tímido ou introvertido é quando não se consegue expressar adequadamente o que sente ou pensa. Quando os sentimentos de medo e insegurança tomam conta da pessoa o resultado é ficar em casa retraído e fechado. Com isso, o contato social é severamente comprometido. Para esse tipo de situação um tratamento para mudança é fundamental. Lembrando que quem sofre com a timidez mesmo em um grau menor deve buscar ajuda para melhorar.

Um tratamento adequado para enfrentar a timidez é a Terapia Cognitiva Comportamental (que pode ser realizada em grupo ou individual). Esse tipo de terapia é baseada no princípio de que os pensamentos afetam a forma como o indivíduo se sente, afetando assim o comportamento. Durante o tratamento são utilizadas técnicas como atuação, simulação, gravação, análise, além de exercícios para trabalhar situações nas quais o paciente se sente ansioso. Conforme se pratica e prepara para essas situações, a pessoa sente-se mais confiante e confortável em suas habilidades sociais, diminuindo a ansiedade, pavor e timidez.

Rubia Costa é psicóloga especializada em Recursos Humanos e Desenvolvimento Organizacional. Atualmente trabalha na APAE de Campos do Jordão e de Sapucaí Mirim, além de atender no consultório particular.